Pastoral Sobre o Oficialato

(Em cumprimento ao Art. 11, parágrafo único)

.

Diretrizes Históricas

Com o crescimento e a expansão da igreja, no primeiro século, surgiram múltiplas necessidades relacionadas com a organização, a evangelização e beneficência. Sob a direção do Espírito Santo, os apóstolos promovera, em Jerusalém, a eleição de diáconos; depois, constituíram presbíteros em cada cidade onde se estabeleceram as novas igrejas (Atos 6. 1-7; 14. 22-23; Tito 1.5).

.

Diretrizes Bíblicas

Com base em Atos 6, os diáconos cuidam da beneficência da igreja, um trabalho muitíssimo importante. Tal ministério tanto é um privilégio, quanto uma grande responsabilidade. O texto menciona a necessidade de serem os diáconos “homens de boa reputação, cheios do Espírito e de sabedoria” (vs. 3). Estevão, um daqueles primeiros sete diáconos, era “homem cheio de fé e do Espírito Santo” (vs. 5).

.

Ainda algumas outras passagens bíblicas nos auxiliam no entendimento deste importante ministério. O apóstolo Paulo enumera cerca de vinte qualificações que os oficiais precisam ter (1 Timóteo 3. 1-12 e Tito 1.5-9). São elas: irrepreensível, esposo de uma só mulher, bom chefe de família, hospitaleiro, temperante, sóbrio, modesto, não dado ao vinho, não violento, cordato, inimigo de contendas, não avarento, apto para ensinar, não seja neófito (novo na fé e sem maturidade espiritual), bons testemunho dos de fora e piedoso. Observamos que as exigências para os diáconos são as mesmas para os presbíteros.

.

Diretrizes Constitucionais

Com respeito às funções dos diáconos, a Constituição da Igreja Presbiteriana do Brasil nos orienta da seguinte maneira: Art. 53 – O diácono é o oficial eleito pela Igreja e ordenado pelo Conselho, para, sob a supervisão deste, dedicar-se especialmente: a) à arrecadação de ofertas para fins piedosos; b) ao cuidado dos pobres, doentes e inválidos; c) à manutenção da ordem e reverência nos lugares reservados ao serviço divino; d) exercer a fiscalização para que haja boa ordem na Casa de Deus e suas dependências.

.

Portanto, pensemos em cada uma estas virtudes, consideremos os nomes dos irmãos que mais se qualificam para o exercício desses oficialatos, oremos por eles e igreja. Vale lembrar que as virtudes necessárias aos presbíteros e diáconos não se restringem aos líderes, mas a cada membro da igreja.

.

Rev. Célio Gomes de Azevedo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *