Pastoral Sobre o Oficialato

(Em cumprimento ao Art. 111, parágrafo único)

 .

2ª Parte

Diretrizes Constitucionais

Art. 50 – O Presbítero regente é o representante imediato do povo, por este eleito e ordenado pelo Conselho, para, juntamente com o pastor, exercer o governo e a disciplina e zelar pelos interessas da Igreja a que pertencer, bem como pelos de toda a comunidade, quando para isso eleito ou designado.

Art. 51 – Compete ao Presbítero: a) levar ao conhecimento do Conselho as faltas que não puder corrigir por meio de admoestações particulares; b) auxiliar o pastor no trabalho de visitas; c) instruir os neófitos, consolar os aflitos e cuidar da infância e da juventude; d) orar com os crentes e por eles; e)informar o pastor dos casos de doenças e aflições; f) distribuir os elementos da Santa Ceia; g) tomar parte na ordenação de ministros e oficiais; h) representar o Conselho no Presbitério, este no Sínodo e no Supremo Concílio.

 .

Nota-se a seriedade e comprometimento necessários para o bom desempenho do presbiterato. Dessa maneira, a fim de nos prepararmos como igreja para a eleição vindoura de presbíteros , pensemos em cada uma destas virtudes, consideremos os nomes dos irmãos que mais se qualificam para o exercício desse oficialato, oremos por eles e pela igreja e voemos com a consciência clara de estarmos cumprindo as exigências da Palavra do Senhor. Consideremos ainda que as virtudes necessárias aos presbíteros não se restringem aos líderes, mas a cada membro da igreja que deseja glorificar o Senhor Jesus por meio do testemunho cristão.

 .

Antes de indicarmos possíveis candidatos para concorrer à eleição, devemos verificar as qualificações bíblicas

 .

IRREPREENSÍVEL – O termo aqui usado não tem o sentido de ser uma pessoa perfeita, o que excluiria do processo todo ser humano, mas tem haver com a tentativa de encontrar pessoas com caráter e conduta que não venha a ser acusado pelos da igreja ou pelos de fora como alguém de procedimento escandaloso, levando assim ao descrédito a mensagem do evangelho.

 .

(Continuação no próximo número)

Rev. Célio Gomes de Azevedo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *